sex. ago 12th, 2022

Nerd Fusão

Seu guia de sobrevivência no apocalipse Nerd

Crítica – Licorice Pizza

Uma amizade/amor platônico entre dois jovens na cidade de Los Angeles dos anos setenta é a linha que nos conduz durante a trama de Licorice Pizza. Gary é um adolescente, uma espécie de subcelebridade por ser ator mirim, conhece Alana, uma moça simples e ambiciosa dez anos mais velha em uma sessão de fotos na escola. Eles têm afinidades, se gostam, mas são orgulhosos. Esse é o cerne da história, mas Licorice Pizza é muito mais do que isso. Muito mais mesmo.

Não são todos os trabalhos de Paul Thomas Anderson que são de meu agrado (como Trama Fantasma, que eu achei bem chato por sinal), mas Licorice Pizza ganhou meu coração sem avisar. Um cenário muito realista, interpretações surpreendentes de protagonistas desconhecidos: Gary é vivido por Cooper Hoffmann, filho do saudoso Philip Seymour Hoffmann, e em seu primeiro trabalho no cinema já demonstra ter herdado o talento do pai; mas a grande estrela do filme é Alana, interpretada por Alana Haim, que até então era conhecida como escritora e musicista. Os dois têm uma química perfeita e é impossível não se apaixonar por eles com poucos minutos de rodagem. O casting de atores coadjuvantes apresenta vários jovens talentos (e boa parte da família da Alana Haim), e ainda conta com algumas participações de luxo, como Sean Penn e Bradley Cooper, sendo que esse último, mesmo com pouco tempo de tela, entrega uma atuação muito melhor do que durante o filme inteiro “Beco do Pesadelo”, no qual ele é o ator principal.

Licorice Pizza traz diversos elementos de época, como questões políticas e a crise do petróleo, o que inclusive tem sua parcela de influência na trama. Mas o fio condutor da história é o quase-romance entre Alana e Gary, os “encontros e desencontros”, as relações deles com outras pessoas, o espírito empreendedor, e mostra que a diferença de idade nem pesa tanto assim. São mais de duas horas de encantamento com a história dos dois, e a torcida para que eles se acertem. A trama parece simples, e de fato é. Mas nem por isso deixa de ser arrebatadora.

Em aspectos técnicos, Licorice Pizza também é uma obra-prima. A Los Angeles dos anos setenta é recriada de forma primorosa, nenhum detalhe é esquecido: roupas, cabelos, estabelecimentos, músicas… tudo está no seu devido lugar. As cenas realmente parecem gravações antigas, o que nos proporciona uma verdadeira viagem no tempo. Algumas vezes me peguei pensando como Gary e Alana estariam hoje em dia, pois o envolvimento com a história é simplesmente incrível. São personagens que nos conquistam e permanecem no nosso imaginário por muito tempo.

Não sei dizer se esse é o melhor trabalho do Paul Thomas Anderson, pois Boogie Nights, Embriagado de Amor, Sangue Negro e Vício Inerente também são marcantes, mas Licorice Pizza, com certeza, é sua obra mais intimista. É um filme leve, agradável, uma história que chega devagarinho e te apanha de surpresa, te conquista de jeito e te faz sair da sala do cinema com um sorriso no rosto. Automaticamente se tornou um dos meus queridinhos indicados ao Oscar e terá minha torcida. A partir de agora estarei espalhando a palavra de Licorice Pizza.

Nota: 10,0.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *